domingo, 1 de janeiro de 2012

Fotografia Noturna


Todos gostamos de ver fotografias do pôr-do-sol e de as tirar, mas após esta altura a maioria dos fotógrafos amadores guarda a máquina fotográfica e espera pela manhã seguinte. Isto é um erro, pois há muitas oportunidades fotográficas durante o período nocturno. Ao contrário do que se pode pensar é muito fácil fazer fotografia nocturna e, em muitos casos nem sequer é necessário tripé. Vou dividir este artigo em duas secções, fotografia nocturna sem tripé e com tripé.

Na fotografia nocturna, o flash deve estar sempre desligado excepto para retratos a curta distância do tema. Devem-se usar altos valores de ISO, mas temos que ter em conta que ao subir o ISO subimos também o ruído digital produzido pelo sensor. Quanto menor for o número de megapixéis, menor será o ruído produzido pelo sensor.

Eis alguns valores máximos de referência que eu, pessoalmente, considero aceitáveis:
- Sensores de máquinas compactas – entre ISO 200 e 400.
- Sensores 4/3 e Micro 4/3 – máximo de ISO 800.
- Sensores APS-C (DSLR) – máximo de ISO 1600.
- Sensores Full Frame – Se tens uma máquina com um sensor destes o que estás a fazer aqui? Deves saber o seu potencial, não vais aprender nada de novo neste artigo


Nikon D300 - 18mm - f/ 3,5 - 1/6 - ISO 1600



Fotografia nocturna sem tripé

Podes fotografar sem tripé, à noite, dentro das cidades usando apenas a luz ambiente. Pessoalmente prefiro fotografar sem tripé pois este limita-me os movimentos e a criatividade (que já de si é pouca). Não tenhas medo de fazer experiências, em caso de dúvida, tenta a foto, lembra-te que na pior das hipóteses tens que carregar no botão Delete da  tua máquina. Digital.

Sempre que se fotografa com pouca luz vai-se trabalhar também com velocidades de obturação baixas. Uma regra de ouro para calcular a velocidade de obturação mínima é que esta deve ser igual a “1/distância focal”, ou seja, se estamos a usar uma lente de 50mm, a velocidade de obturação deve ser 1/50 ou acima disto para que a foto não fique “tremida”.

Nikon D300 - 18mm - f/ 3,5 - 1/15 - ISO 1600



Para conseguires tirar fotos com velocidades mais baixas, deves usar lentes com a menor distância focal possível (angulares). Cada vez há mais máquinas e lentes equipadas com dispositivos de estabilização de imagem o que também permite fotografar a baixa velocidade sem que a imagem fique tremida.

Ainda podes baixar mais a velocidade de obturação, recorrendo a técnicas usadas no tiro, afinal o objectivo é comum – estabilizar, ao máximo a câmara ou a arma. Deves colocar os pés ligeiramente afastados paralelos um ao outro na posição que te permita a máxima estabilidade. Os braços devem estar flectidos, apoiados no tronco e com os cotovelos unidos. Deve-se encontrar uma postura confortável e não demasiado rígida. Uma das mãos deve estar no punho da máquina enquanto que a outra deve apoiar a objectiva.



A respiração também deve ser cuidada. Os melhores resultados conseguem-se sustendo a respiração no final do ciclo respiratório, ou seja, inspiração, expiração, suspensão da respiração e disparo. Se quiseres, depois do disparo podes voltar a inspirar, mas isso é contigo.

O disparador deve ser accionado o mais suavemente possível. Deves ir “espremendo” o disparador lentamente até que o obturador seja accionado. Evita a todo o custo premir violentamente o disparador, dando uma “gatilhada” pois isto irá produzir vibração na câmara.

Acho que é escusado dizer que deves abrir o diafragma ao máximo em modo de prioridade à abertura ou usar o programa de fotografia nocturna da tua máquina compacta.


Nikon D300 - 46mm - f/ 4,5 - 1/200 - ISO 1600



Fotografia nocturna com tripé

Quando se fotografa com muito pouca luz, por exemplo em zonas rurais, quando se fotografam os astros, relâmpagos ou fogo-de-artifício, necessitamos de fazer exposições realmente longas (velocidades de obturação abaixo de 1 segundo). Para este tipo de exposição, é fundamental o uso de um tripé.

Não te vou recomendar nenhum tripé em particular pois isso depende muito daquilo que queres fazer com ele e dos teus gostos pessoais. Digo apenas que de nada adianta terem um Gitzo topo de gama para ficar permanentemente em casa. As minhas melhores fotos de longa exposição foram tiradas com tripés de viagem ou mini-tripés, porque eram esses que estavam no meu estojo fotográfico.



Nikon D70 - 200mm - f/ 25 - 30’’ - ISO 200



Para maximizar a estabilidade oferecida pelo tripé deves usar um disparador remoto (uma espécie de comando à distância) a fim de reduzir as vibrações produzidas pelo teu dedo no botão de disparo. Isto é particularmente importante se fotografares com tripés de má qualidade. Todas as DSLR e compactas de topo de gama actuais possuem suporte para um disparador remoto que pode ser por cabo ou por infra-vermelhos.

Caso tenhas uma compacta sem suporte para disparador remoto, podes usar o modo de disparo automático retardado que cumpre o mesmo objectivo.

Com tripé recomendo o uso do modo de prioridade ao obturador da tua máquina ou o modo completamente manual. Algumas máquinas apenas permitem escolher a velocidade BULB em modo manual. Na velocidade BULB o obturador fica aberto enquanto o botão fica aberto enquanto o botão disparador estiver premido. Apenas se deve usar esta técnica usando um disparador remoto pois, se usares o botão de disparo irás produzir vibrações na máquina. A velocidade BULB apenas se deve usar para exposições superiores a 30 segundos.


Nikon D70 - 18mm - f/ 3,5 - 374’’ - ISO 200