sexta-feira, 8 de maio de 2015

Armas de Ar Comprimido








Este é o meu pequeno tributo às armas de ar comprimido, também conhecidas como pressões d’ar.

  • O quê?! Vais falar de pressões d’ar?!
  • Mas isso não é só para crianças ou para quem não consegue tirar a licença de uso e porte de arma?
  • Que piada tem uma pressão d’ar para um adulto?
  • Homem que é homem só dispara armas de calibre 12 para cima!
  • Até mesmo uma mulher inexperiente consegue disparar uma .22 LR!
  • Nenhum adulto que se preze anda por aí aos tiros com uma pressão d’ar!






Se alguma das frases anteriores poderia ter sido dita por ti, continua a ler, pode ser que te consiga fazer mudar de ideias.

Começo com um pouco da minha história pessoal. Se não gostas de novelas mexicanas, salta diretamente para a secção intitulada "Usos práticos das armas de ar comprimido".






Desde tenra idade, quando ainda mal conseguia puxar o gatilho que o meu pai me apresentou à sua Norica Modelo 61 e me ensinou os rudimentos do tiro. Passámos bons momentos em conjunto a disparar contra alvos de grandes dimensões a curta distâncias. Não sei que idade tinha, apenas me recordo que não tinha força suficiente para armar o mecanismo de disparo.

Daí em diante foi crescendo o meu gosto pelo tiro e pela Norica. A maioria dos meus finais de tarde, no Alentejo, era passada na companhia da minha modelo 61, com a boca cheia de chumbos, a disparar contra os mais variados alvos, o que incluía o ocasional pardal. Esta arma proporcionou-me muitos bons momentos ao logo da minha infância e foi a grande responsável, em conjunto com o meu pai pelo meu interesse e gosto pelo tiro.

E não pensem que esta era uma arma de qualidade acima da média, pelo contrário, nunca foi estimada nem bem tratada. Era guardada na garagem, sem qualquer proteção. Sujeita ao frio e à humidade. Tinha uma fina camada de ferrugem que cobria todas as superfícies metálicas. O parafuso que regulava a alça de mira tinha a rosca moída e não permitia a regulação em altura. e para terminar, o gatilho era e ainda é horrível. Mas, apesar de todos os defeitos que tinha, era a única arma que podia disparar livremente e dava-me muito gozo. Era a minha pressão d’ar.






Ao entrar na adolescência passei a interessar-me mais pelo computador e pelos jogos de tema bélico (Wolfenstein 3D, Doom, Quake, etc) e a Norica foi ficando esquecida e cada vez mais ferrugenta.

A entrada na idade adulta também não ajudou nada na minha relação com as armas de ar comprimido. Agora já podia tirar a carta de caçador e a licença de uso e porte de arma de caça. Passei a dar toda a minha atenção à Benelli Super 90 e a ignorar completamente  a Norica. Agora que já me sentia um homem de barba rija já não perdia tempo com pressões d’ar.

Passado pouco tempo tirei também a licença para uso e porte de arma (LUPA) de tiro desportivo. Comprei a Walther P22, a Ruger Mark III e a Ruger 10 / 22 enquanto a Norica continuava a acumular ferrugem.






A alteração à lei das armas passou a obrigar os detentores da LUPA de tiro desportivo a participar em pelo menos uma prova por ano para poderem renovar a licença. Isto, para mim que nunca gostei muito de competição, foi sinonimo de provas de manutenção. As provas de manutenção são provas feitas com armas de ar comprimido (carabinas ou pistolas).

Foi com grande indignação que comecei a minha primeira prova de manutenção. Sentia-me humilhado. Então agora voltei à infância?! Ando outra vez a brincar às pressões d’ar?! Uma vergonha!!! E ainda por cima com uma arma de baixa qualidade, em mau estado e com um gatilho péssimo?! Grrrrrrr!!!

Não sei como, nem em que momento se deu a transição, apenas sei que terminei a prova com um sorriso nos lábios e algumas recordações de infância a virem à superfície. Isto afinal até é divertido! Claro que não tinha a mais pequena intenção de voltar a tocar numa pressão d’ar até à próxima prova de manutenção no ano seguinte.






Foi só depois de ir várias vezes aos EUA e de experimentar inúmeras armas automáticas, o Barret .50 BMG, a Desert Eagle .50 AE entre muitas outras, que, finamente me apercebi, que me dá tanto gozo disparar uma H&K MP5 ou uma vulgar carabina de ar comprimido. Podem parar de rir porque estou a falar a sério. São experiências completamente diferentes, mas que se podem resumir ao mesmo. Ambas disparam um projétil, potencialmente perigoso, com o objetivo de acertar num alvo. E apesar do contrário também ser verdade, uma arma de ar comprimido tem muitas vantagens sobre uma arma de fogo. Vou tentar listá-las e explicá-las por ordem decrescente de importância.

Usos práticos das armas de ar comprimido

  1. Iniciação - Esta é talvez a utilização mais obvia para as armas de ar comprimido. Apresentar o tiro a pessoas que não têm experiência ou nunca atiraram. Tal como a maioria dos pilotos de F1 se iniciou nos karts, a maioria dos atiradores iniciou-se com uma qualquer arma de ar comprimido. Na minha opinião uma carabina de cano articulado é a arma ideal para novos utilizadores, que se podem sentir intimidados pelo coice ou pelo barulho gerado pelos disparos das armas de fogo.






  1. Economia - As armas não são própriamente baratas. É, no entanto, possível comprar uma carabina articulada barata por cerca de 100 €. No extremo oposto temos as pistolas PCP de competição que rondam os 1300€ e as carabinas PCP que podem chegar aos 2800 €. O que é mesmo barato sãos as munições, permitindo praticar bastante por uma fração do custo que se teria com uma arma de fogo. A título de exemplo, um tiro de calibre .357 SIG custa 60 cêntimos, enquanto que uma munição barata de .22 LR custa 10 cêntimos e um chumbo de alta qualidade de calibre 4,5 mm custa 2 cêntimos e um chumbo barato, mas extremamente preciso (Gamo Match) custa 0,6 cêntimos. Pondo as coisas em perspetiva, por cada tiro de calibre .357 SIG, posso disparar 6 de calibre .22 LR ou 30 chumbos RWS R10 Match ou até mesmo 92 chumbos Gamo Match!





  1. Treino - Uma arma de ar comprimido é a ferramenta ideal para treinar. Mesmo os atiradores que se interessam apenas por armas de fogo podem beneficiar do treino com armas de pressão, tanto ao nível de custos como também pelo facto de se poderem usar em muitos mais locais e horários alargados. No Jamor, por exemplo, as carreiras para arma de fogo não têm iluminação artificial adequada e encerram às 18:00h ou às 20:00, dependendo da época, enquanto que a carreira dos 10 m, interior, encerra às 22:00h. E não pensem que as armas de ar comprimido servem apenas para treinar precisão. Com alguma criatividade e um bom timer, também podem ser usadas para velocidade. Neste âmbito estou também a considerar as armas de CO2 que são réplicas de armas de fogo, não só na aparência, dimensões e peso, mas também no funcionamento. Até os coldres são compatíveis!
    Baseado na minha própria experiência, afirmo que, se uma pessoa não é boa atiradora com uma arma de ar comprimido também não será com uma arma de fogo.




  1. Competição - Esta é obvia! Existem 2 modalidades olímpicas de ar comprimido a 10 m, e inúmeras outras modalidades não olímpicas. Recomendo a quem se quiser iniciar na competição que comece pelas provas de ar comprimido.





  1. Facilidade de utilização - A maioria das armas de ar comprimido são pouco potentes e produzem pouco ruído o que as torna seguras para usar num quintal pequeno, em interiores, garagens, etc. Já participei numa prova que decorreu dentro de uma cabine telefónica, com a porta fechada. Apesar de não ser médico, acho que é seguro usar grande parte das armas de ar comprimido sem proteção auricular.




  1. Facilidade de aquisição - Estas armas são de venda livre em Portugal a maiores de 18 anos até ao calibre 5,5 mm. Não há necessidade de licenças, seguros burocracias infindáveis e tempos de espera infindáveis. Até se pode fazer importação direta de armas de ar comprimido sem restrições.






  1. Diversão - Demorei bastante a perceber que é tão divertido disparar uma vulgar arma de ar comprimido como uma AK-47 ou uma UZI. São experiências diferentes mas igualmente compensadoras. É muito fácil aprender e fazer truques e habilidades com uma arma de ar comprimido o que contribui bastante para o fator diversão.






  1. Sobrevivência - Apesar de serem muito menos potentes que uma arma de .22 LR, por exemplo, existem carabinas articuladas e PCP com energia suficiente para matar pequenos animais a curtas distancias, permitido por comida no tacho em caso de extrema necessidade, com a vantagem de serem muito mais silenciosas que uma arma de fogo.






Espero ter conseguido explicar que as pressões d’ar não são apenas brinquedos de criança, pelo contrário, são instrumentos de grande utilidade e qualidade para adultos.

Se gostaram, por favor cliquem no botão gosto e partilhem nas vossas vastas redes sociais.

E lembrem-se, não se deixem apanhar.